segunda-feira, novembro 09, 2009

1989 - 2009 ... e depois do muro?



Ilustração para o Expresso do último sábado, 7 de Nov.
Aproveito para tecer algumas considerações. Onde estava eu nesse dia em 1989? Tento lembrar-me e parece-me inaceitável que não recorde esse momento com euforia. Hoje um muro feito de blocos de dominó é deitado abaixo em Berlim. Que alegoria de derrocada é esta num tempo, como alguém disse, em que outros muros se constroem? Que antevisão catastrófica é esta de blocos que chocam entre si e se estatelam no chão? Porque desejamos as calças de ganga e a coca-cola e isso nos passa ao lado quando nos entra pelos olhos a dentro e a toda a hora? Existe algo de insolúvel que é a questão do que temos de trocar por liberdade e democracia. Câmara Clara ontem, o jovem historiador do comunismo diz a propósito dos termos, não é por a RDA se ter chamado democrática que a sua dissolução obriga ao aniquilamento do termo. O homem prepara-se para quebrar a parede onde está inscrita a palavra EXIT. Restam-nos a todos nostalgias de um tempo de abstinência em que um produto "genérico" possuía múltiplas aplicações. O pouco libertava-nos a mente para outras questões. Fascínio hoje pelos objectos utilitários do outro lado da cortina de ferro. Práticos, simples e de produção barata. Formação e saúde pontos fortes. Que interessa tudo isso se ao olhar pelo buraco da fechadura morangos açucarados saltitam alegres do outro lado? Tirem-me daqui.

2 comentários:

mmmnnnrrrg disse...

um nostálgico da stasi, portanto...

Filipe Abranches disse...

o que é, um comprimido...?